Membros do grupo Antifa agridem seguranças durante evento em universidade britânica (Vídeo)

Imagens de vídeo mostram o momento em que o grupo invade uma sala de conferências

Por Simon Veazey, Epoch Times

Membros mascarados do grupo de extrema-esquerda Antifa invadiram uma palestra em uma universidade britânica e agrediram uma equipe de segurança, mas foram forçados a deixar o lugar depois de soltarem uma bomba de fumaça, de acordo com testemunhas oculares e vídeos.

Imagens de vídeo mostram o momento em que o grupo invade uma sala de conferências em 5 de março, tentando pegar o microfone, enquanto era realizado um evento no prestigiado Kings College London (KCL).

“Entre 10 e 15 pessoas vestidas de preto, com capuzes e máscaras negras, pularam as barreiras e imediatamente entraram em confronto com dois ou três guardas de segurança”, disse uma testemunha ao jornal DailyMail.

“Os seguranças tentaram detê-los, mas eles começaram a distribuir socos. Um dos guardas, um homem de cabelos grisalhos que parecia ter cerca de 60 anos, recebeu vários”.

Em um vídeo pode-se ver assistentes empurrando os invasores, com pelo menos dois homens batendo neles. Em cerca de 4 minutos, eles foram retirados da sala.

O evento, organizado pela Sociedade Libertária da universidade, foi classificado como um debate entre as ideias conflitantes do empresário e autor Yaron Brook, que defende a bandeira da filosofia “objetivista”, e o polêmico youTuber Carl Benjamin.

Benjamin, também conhecido pelo apelido de Sargon de Akkad, descreve-se como um “liberal clássico”, mas seus detratores o rotulam como “porta-voz da direita alternativa”, apesar dele alegar que rejeita o movimento de direita.

Quando grupos de protesto da extrema-esquerda demonstraram na internet sua intenção de contestar o evento, a universidade tratou de estabelecer certas condições para que ele ocorresse, explicou Brook em um vídeo na internet publicado após o incidente.

Segundo Brooks, a universidade havia concedido expressamente permissão para transmitir e registrar o evento. No entanto, depois que os grupos de extrema-esquerda expressaram sua intenção de interferir, a universidade voltou atrás na decisão.

Posteriormente, a universidade também restringiu o atendimento a estudantes universitários e membros da faculdade, o que frustrou cerca de 200 pessoas, algumas das quais vieram de fora da cidade para assistir ao evento, disse Brooks.

A universidade também exigiu a presença de “safe space marshalls”, pessoas que atuariam como “soldados” durante o evento. Eles ficariam de prontidão para interferir no caso de um orador falar algo “insultante”.

Brooks contou que, ao chegar, teve que esperar em uma “sala verde” por cerca de 45 minutos, com um guarda do lado de fora que insistiu em que ele ficasse lá.

Ele disse que havia cerca de 7 manifestantes que estavam entre a audiência, esperando que os mascarados entrassem para começar a agir.

Não houve indícios da presença de manifestantes do lado de fora, disseram algumas testemunhas.

Simon Gibbs escreveu no site “Libertarian Home” que não viu sinais de manifestantes enquanto esperava no saguão com outras pessoas a quem lhes havia sido negada a entrada.

Depois, “cerca de doze pessoas, vestidas de preto, correram decididas até a barreira de segurança”, disse ele.

“Os líderes pularam a barreira e começaram a lutar com até cinco guardas de segurança, incluindo o chefe, que chegou rapidamente. Uma chuva de faíscas anunciou que haviam lançado uma bomba de fumaça. Uma, talvez duas no máximo.”

Gibbs disse que a briga só envolveu poucas pessoas e terminou rapidamente, avisando que alguns comentários feitos no Twitter exageraram o incidente.

“O dano real foi causado pela bomba de fumaça que fez disparar os alarmes de incêndio e por causa disso foi feita uma evacuação imediata”.

“O que é realmente assustador para a maioria de nós é que o evento na verdade foi cancelado horas antes do incidente. Houve 147 curtidas em um evento no Facebook que nunca aconteceu. Fizeram um tuít ameaçador. Isso foi tudo o que realmente aconteceu de mais grave. Esses tuíts e curtidas foi o que realmente acabou com o evento”.

A Sociedade Libertária KCL disse em um comunicado: “Os palestrantes Yaron e Carl foram convidados esta noite para discutir e debater suas ideias contraditórias. O evento deveria ser acadêmico, filosófico e aberto a críticas”.

De acordo com o jornal The Telegraph, um porta-voz da KCL disse: “O evento da noite passada organizado pela Sociedade Libertária do King’s College de Londres teve que ser cancelado depois que manifestantes forçaram violentamente sua entrada no local. A polícia nos ajudou e agora estamos cooperando plenamente com as investigações”.

 
Matérias Relacionadas